Sem categoria

Reformas, crime e falta de caminhoneiros são principais riscos para o transporte, avalia CNT

By 29 de junho de 2023 No Comments

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – As mudanças nas leis e regulamentos, como a reforma tributária, são o principal risco enfrentado pelo setor de transporte no país, avaliam empresários e representantes do setor, aponta pesquisa feita pela CNT (Confederação Nacional do Transporte).

“Temas em discussão que podem vir a ser efetivados, como novo arcabouço fiscal e reforma tributária, impactam direta e significativamente o setor, pois os tributos incidem sobre diversos insumos essenciais para a garantia dos serviços, como combustíveis”, diz o estudo.

“A depender de como esses temas serão conduzidos e aprovados, poderão aumentar a incidência tarifária e os custos para o setor, afetando a sua capacidade de previsão e planejamento investimentos de médio e longo prazos ?condicionando ou mesmo inibindo a tomada de decisões no presente”, prossegue o documento.

O estudo, chamado Análise de Grandes Riscos do Setor de Transporte, foi antecipado para a Folha.

O material reúne respostas de representantes de 50 das 74 federações, sindicatos e entidades que compõe a CNT. No questionário, foi pedido que os entrevistados respondessem o quanto cada quesito, de uma lista de 29 ameaças, teria probabilidade de acontecer nos próximos cinco anos, o quanto isso poderia afetar sua atividade e o setor de transporte no país como um todo e como avaliavam o modo como o setor e o poder público estavam ou não preparados para lidar com aquela situação.

Os outros pontos que geram mais preocupação são, em segundo lugar, o crime organizado; em terceiro, a escassez de mão de obra qualificada e, em quarto, e os eventos climáticos extremos, como fortes chuvas.

“Antigamente o roubo de cargas rodoviário era o mais comum, quase que exclusivo. Havia poucos casos de pirataria nos portos, mas isso tem mudado. Na região Norte, na Bacia Amazônica, a ação criminosa tem se intensificado”, diz Bruno Batista, diretor-executivo da CNT.

Sobre a falta de trabalhadores, Batista aponta que o principal problema é a escassez de caminhoneiros. “Os veículos estão ficando cada vez mais tecnológicos. Tem sistemas de controle de frenagem, de equilíbrio da carroceria, e falta mão de obra qualificada. As empresas abrem processo seletivo e não conseguem repor”, lamenta.

O aumento de eventos climáticos fora do comum, como grandes tempestades, queimadas e o aumento do nível do mar, também preocupa o setor, já que acabam atrasando ou impedindo viagens, danificando as estruturas físicas e gerando prejuízos.

Como o material foi elaborado pela primeira vez, não é possível fazer comparativos, para apontar mudanças nos temas de maior preocupação, por exemplo.

Batista considera que o setor público deveria estar mais atento aos riscos que podem ameaçar a economia do país. Ele defende que o governo deveria criar modelos de previsão e estratégias de previsão mais robustos. “Fomos surpreendidos três anos atrás com a pandemia, que ninguém estava preparado, não estava sequer no radar”, lembra.

No ranking atual de preocupações do setor de transportes, uma nova pandemia aparece apenas em 8º lugar. Veja abaixo a lista completa.

*

RISCOS QUE MAIS PREOCUPAM O SETOR DE TRANSPORTES

1 – Alterações ou insuficiências nas políticas legais, normativas, tarifárias, fiscais e/ou tributárias

2 – Crime organizado nacional e/ou transnacional

3 – Escassez de mão de obra qualificada

4 – Eventos climáticos extremos

5 – Excesso de entraves burocráticos, jurídicos, administrativos e/ou técnicos

6 – Instabilidade econômica global, regional ou nacional

7 – Dificuldades ou insuficiências no acesso a fontes de investimento e/ou de acesso ao crédito

8 – Pandemias

9 – Crime e/ou conflito cibernético

10 – Aumento de custos em decorrência de ações ambientais

LINK: https://www.acessa.com/economia/2023/06/156004-reformas-crime-e-falta-de-caminhoneiros-sao-principais-riscos-para-o-transporte-avalia-cnt.html

×